Balão Intragástrico

Home/Balão Intragástrico
Balão Intragástrico 2019-02-24T11:08:25-03:00

Nem todos os pacientes portadores de obesidade desejam realizar a cirurgia bariátrica ou alguns não tem indicação para tal, seja devido ao baixo IMC ou à ausência de comorbidades. A utilização do balão intragástrico pode ser uma excelente alternativa para o tratamento do sobrepeso e obesidade, sendo feito por endoscopia, sem necessidade de internamento e com resultados superiores aos tratamentos clínicos e dietéticos.

Mas o que é o Balão Intragástrico?

O balão intragástrico é uma prótese de silicone colocada através de uma  endoscopia digestiva habitual, ou seja pela boca e sem  necessitar de cirurgia,  Uma vez no estômago, o balão é preenchido por uma solução líquida, composta de soro fisiológico e azul de metileno, até atingir volumes entre 500 e 700 ml.

Como ele funciona?

O balão ocupa espaço no estômago promovendo redução da capacidade de ingestão alimentar, promovendo uma saciedade precoce, o que faz o paciente comer menor volume. Além disso, a presença do balão promove um retardo (lentificação) no esvaziamento do estômago, o que mantem a sensação de satisfação alimentar por um tempo maior e, consequentemente, evita alimentações em frequência exagerada. Vale lembrar que é fundamental uma adaptação e reorientação da dieta para redução de carboidratos e líquidos calóricos que, naturalmente, já possuem digestão mais rápida e passam facilmente ao redor do balão.

Cirurgia balão gástrico Curitiba

Quando ele é indicado?

É indicado como método auxiliar na perda de peso em casos selecionados de sobrepeso e na obesidade. Trata-se, também,  de um bom método temporário no preparo para a cirurgia bariátrica, visando facilitar o procedimento cirúrgico e reduzir os riscos em pacientes superopesos (IMC > 50 kg/ m²)

Quem pode colocar o balão?

O balão intragástrico pode ser utilizado em pacientes com IMC igual ou superior a 27 kg/m².

Tipos de Balão Intragástrico:

Atualmente, existem 2 opções de balões intragástricos: 6 ou 12 meses de tratamento. O paciente pode permanecer por 6 meses ou 1 ano com o balão,  tempo suficiente para ter uma perda de peso corporal, mudar seu estilo de vida com uma alimentação mais saudável e prática de exercícios físicos, afim de manter os resultados obtidos.

Qual a diferença entre os 2 modelos de balão?

– Balão ORBERA: é o sistema mais utilizado e está no mercado desde 2001. Seu período de permanência é de 6 meses, sendo indicado remoção ao final deste período. O volume total (em ml) é colocado e mantido durante todo o tratamento, sem possibildade de ajustes. Existe perspectiva da chegada da sua nova geração que será autorizada a permanecer por até 1 ano com o paciente – ORBERA 365 (ainda em aprovação pela ANVISA no Brasil).

Balão Gastrico em Curitiba

– Balão SPATZ3: é um sistema ajustável que pode permanecer por até 12 meses com o paciente. Esse balão permite ajustes em seu volume. Com isso, podemos aumentar seu volume nos casos de perda da saciedade ou perda insuficiente de peso. A saciedade precoce, promovida pelo balão, é maior no início do tratamento, mas que diminui com o passar dos meses. Essa é uma condição normal já que existe uma acomodação do balão e adaptação do estômago à presença do acessório. Com o balão reajustável, nesse momento é possível encher um pouco mais seu volume e devolver a saciedade ao paciente que sente-se seguro e estimulado a continuar no caminho certo. Esse reajuste é simples e pode ser feito mais de uma vez. Outro ponto positivo do ajuste é no caso de intolerância e/ou dificuldade de adaptação ao balão, situação incomum mas que pode ocorrer nos primeiros dias. A redução do volume do balão permite uma melhor adaptação, nestes casos, sem necessidade de remoção precoce do mesmo.

Balão SPATZ3

Qual a perda de peso esperada?

A média de perda de peso observada é de 15-20% do peso corporal total do paciente, podendo chegar até 50% de perda do excesso de peso e 5 pontos no IMC.

A perda de peso insuficiente (menos que 10% do peso corporal inicial) ocorrem em até 5% dos pacientes. E o reganho de peso ocorre em até um terço dos casos, após 18 meses de retirada do balão, principalmente pela não manutenção do seguimento nutricional e o retorno aos hábitos pregressos ao balão.

Vantagens:

– Método endoscópico, rápido e sem incisões abdominais (não é uma cirurgia);

– Ambulatorial: o paciente faz a colocação e retorna para casa após sua recuperação, em torno de 1 hora;

– Riscos baixos, comparável ao de uma endoscopia digestiva e  menor que qualquer procedimento cirúrgico;

– Resultados superiores aos tratamentos dietéticose medicamentosos;

– Bons resultados quando associado a acompanhamento multidisciplinar, dieta e atividade física;

Desvantagens:

– Custo: procedimento não coberto por planos de saúde;

– Risco de recuperação de peso caso não mantenha mudanças no estilo de vida e/ou retorne aos hábitos anteriores ao uso do balão.